Para onde ir agora?

para onde ir agora

Ok, assumirei o posto de autor que escreve sobre esportes no blog. Assistindo o UFC 196, e com a cabeça de quem busca analisar e diagnosticar comportamentos pessoais com visão empresarial, vi a derrota do “THE NOTTORIOUS” CONOR McGREGOR.

Conor chegou ao UFC com credencial de ter sido campeão desde jovem em eventos no reino unido. Com espírito empreendedor, descobriu um espaço grande para bons lutadores que soubessem se promover como tal. O até então desconhecido do grande público foi ganhando lutas e aparecendo, falando muito, muito, o famoso “trash talk” era tão poderoso quantos seus golpes e após 6 lutas na maior organização de MMA do mundo lá estava ele, postulando o titulo contra o até então, campeão que estava há mais tempo de posse do cinturão. Era o que ele precisava para se tornar a estrela maior do espetáculo, mas isso mostrou a Conor um lado que talvez nem ele conhecesse.

conor2

Na luta seguinte, ele sucumbiu frente a um desafiante despreparado, que nunca foi favorito em luta alguma, tecnicamente inferior, mas como? Como o grande astro, campeão, que desafia qualquer um e confiante de que pode ganhar, perde assim, na primeira luta após chegar ao trono que tanto buscou?

Conor me faz lembrar de empresas que se destacam de forma agressiva no mercado, fazem grande marketing, constroem um caminho vertical de sucesso mas quando chegam ao topo não sabem conduzir de forma igualmente brilhante, necessitam de ter a cenourinha em sua frente como motivação, chegam ao numero 1 e se perdem.

O campeão irlandês durante os dias que antecederam a luta do UFC 196 dizia que seria ainda mais fácil esta luta do que a última, pois não precisaria perder tanto peso.

conor1

Fica uma reflexão, no mundo empresarial, qual a sua motivação para ser o melhor, e sendo o melhor, o que fazer com isso? Nelson Piquet em uma entrevista disse que ansiava muito por ser campeão mundial de F1, quando conseguiu ficou em êxtase mas no dia seguinte a vida continuou exatamente como antes, ele acordou de ressaca como após todos os porres já tomados.
Necessitamos entender que há espaço pra todos debaixo da sombra, mas você quer mesmo ficar sentado debaixo do guarda-sol tomando agua de coco?

Em uma serie de TV que gosto muito, certa vez o narrador disse uma frase que pra mim se tornou um incomodo:

“Crianças, às vezes você percebe que a viagem que você está tomando atingiu o seu ponto final. Portanto, a questão torna-se: Para onde ir agora?”
(Ted do futuro)

Compartilhe esse post: