Sobe aqui, seu medroso

sobe aqui seu medroso

Desde pequeno sempre fui um tanto quanto medroso, ou talvez cauteloso. Era comum ver meus primos subindo em arvores e eu apenas olhando para eles, torcendo para que não me chamassem para subir também.

A minha desculpa era de que eles precisavam de alguém de baixo das arvores para pegar as frutas e guarda-las. Quase sempre funcionava, exceto quando eles queriam comer a fruta no pé, deitado no galho da arvore olhando para o céu. Me obrigava a subir e demonstrar que não tinha medo. Infelizmente, minhas pernas me entregavam, de tanto que elas tremiam enquanto subia.

coragem medroso

O problema não era a altura, pois quando estava no topo da arvore me sentia aliviado e feliz de poder olhar para baixo e ver as coisas por um novo ângulo. Meu medo era o trajeto da subida, a tal da adrenalina como muitos chamam. Já pensou se eu me machuco? Ou se encontro um marimbondo ou algum inseto que pudesse me atacar? Essas perguntas me aterrorizavam quando eu ouvia: – Sobe aqui, Jader.

Já ouvi muitas pessoas dizendo que crianças não se importam com as consequências, se vão se machucar ou não, elas decidem e fazem sem se importar com o Merthiolate depois. Eu não era assim, me preocupava e muito.

menino caindo

Esse comportamento me tornou uma pessoa cautelosa, ainda mais quando o assunto é empreender. O medo de não dar certo. De quebrar financeiramente. De fracassar, me assusta e se na arvore a minha segurança era o chão. Hoje, minha segurança e estabilidade é meu emprego.

As vezes eu ainda me sinto como o pequeno Jader, pegando as frutas jogadas lá de cima, não tendo o gosto de come-las no alto da árvore que se chama, empreender.

mini mim
mini mim

E, ai? Quais foram seus medos na infância ? <3

Compartilhe esse post:

Jader Galhardo

Eu não empreendedo, e é daí que criei o blog. Graduado em marketing e apaixonado por criatividade e inovação. Blogueiro nas horas vagas e vendedor em todas as outras.

More Posts - Website

Follow Me:
Facebook

  • Olá Jader, é interessante como alguns ‘medos’ nossos da infância quando crescemos, mesmo mudando, parecem parecidos com algumas coisas q evitamos na vida adulta. Eu te entendo… gostei do texto, analogia interessante, serve pra gente pensar mas também achei interessante o termo que você usou, não medo, mas cautela e isso na vida sempre é importante =D e vc era uma uma criança mt fofa! Beijos!

    • Olá Bruna, eu acredito que nossos medos na infância afetam e sim muitas coisas na vida adulta. Fico feliz que tenha gostado do texto e me achado uma criança fofa, rsrs. Beijo.

  • Guto

    Reflexao profunda hein brother!
    Pensando aqui, me dei conta que meu medo sempre foi ficar sozinho! Ser abandonado pelos meus pais… ou que meus irmaos nao voltassem nunca mais da escola.
    E hoje, por incrivel que pareca, eu prefiro morar sozinho, mesmo tendo a opção de estar sempre muito bem acompanhado. Será que é superacao ou formação reativa?

    • Olá Guto.
      Eu diria que seu caso é formação reativa, você apenas substituiu a ausência dos seus pais e irmãos quando sozinho, pelos amigos. Mas também pode ser superação. Perder o medo de ser abandonado pela família e conseguir sobreviver longe deles é uma superação também. (Quem diria eu, tentando responder questões de um psicologo como você) Obrigado pela visita Guto, um abraço e espero ter ajudado. :p